Últimas Notícias

Notícias

Serasa Experian lança pesquisa de avaliação de 98 setores brasileiros

10/02/2010

A Serasa Experian lança hoje a Pesquisa Serasa Experian de Avaliação Setorial, que vai sinalizar, trimestralmente, a tendência de noventa e oito setores da economia, distribuídos em quatro atividades: primária, comércio, indústria e serviços. A classificação é feita por meio de conceitos.

“O estudo seu compromisso de transformar dados em informação e esta em compreensão do cenário socioeconômico nacional”, afirma o presidente da Serasa Experian, Ricardo Loureiro.

Na avaliação do 4º trimestre de 2009, quarenta e cinco setores registraram estabilidade no conceito atribuído, em relação ao do 4º trimestre de 2008, e dezoito melhora, influenciados pela recuperação do nível de atividade econômica ao longo de 2009. Entretanto, a crise financeira global causou a piora do conceito de trinta e cinco setores, principalmente os da atividade industrial.

 

 

Análise por Atividade

Na atividade primária, formado por treze setores, cinco registraram piora de conceito; seis, estabilidade; e dois, melhora. O cenário manteve-se negativo com a queda dos preços externos e da demanda internacional. Com isso, houve aumento da disponibilidade de produtos agropecuários no mercado doméstico, o que provocou deflação de preços. A rentabilidade da safra 2008/09 foi comprometida pela valorização do real em relação ao dólar e pelos elevados custos de produção. Em 2009, a recuperação dos preços internacionais não foi suficiente para aumentar as margens da atividade no campo.

Os setores que registraram melhora no conceito foram produtor de cacau e de leite. O produtor de leite foi beneficiado pelo aumento dos preços recebidos de março a setembro de 2009 diante da maior disputa pelos derivados dos laticínios por causa da menor oferta de leite. Apesar do preço do leite cair a partir de outubro, as margens dos produtores foram favorecidas pela redução dos custos, principalmente do milho.

 

No grupo do comércio, formado por seis setores, três apresentaram melhora de conceito – supermercados, distribuidoras de combustíveis e concessionárias de veículos leves – e três estabilidade. Apesar da crise financeira internacional, a atividade do comércio foi uma das menos prejudicadas, uma vez que as vendas cresceram influenciadas pelo aumento da renda; pelo maior volume de crédito concedido; pela redução das taxas de juros; e pela ampliação dos prazos de pagamentos.

O setor supermercadista destacou-se entre os que apresentaram melhora no conceito, devido ao crescimento da massa real de rendimento – número de ocupados x rendimento real – e ao menor temor de desemprego, a partir do 2º trimestre de 2009, o que elevou a confiança do consumidor em adquirir produtos mais elaborados, como os industrializados. As grandes redes supermercadistas foram favorecidas também pela expansão do crédito às pessoas físicas e do prazo de financiamento, que estimularam as vendas de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, computadores, e outros bens de consumo duráveis. A valorização do real ante o dólar possibilitou aos supermercados elevarem a oferta de produtos importados e as margens de lucro.

Dos cinqüenta e quatro setores industriais analisados pela equipe de Análise Setorial da Serasa Experian, vinte e cinco registraram piora no conceito, devido à retração das exportações, aos elevados estoques e às condições de crédito menos favoráveis para pessoas jurídicas, o que manteve o índice de produção industrial, de 2009, inferior ao de 2008.

A indústria calçadista integrou o grupo penalizado pelo cenário econômico adverso. Houve retração de produção e de vendas do setor. As exportações retraíram 23,8%, em volume, no comparativo interanual de janeiro a novembro de 2009. Isso decorreu do desaquecimento da economia mundial e do aumento do protecionismo da indústria de calçados de países como Argentina, Equador e Venezuela.

Contudo, vinte e um setores industriais mantiveram estabilidade, e oito melhora na avaliação – açúcar, alimentos, bebidas, frigoríficos de aves, frigoríficos de suínos, moageiras de trigo, perfumaria e cosméticos e vinhos – devido ao aumento da renda real; as melhores condições creditícias e às isenções tributárias concedidas aos bens de consumo duráveis, como veículos automotores e eletrodomésticos. Com isso, o consumo interno se expandiu e sustentou a gradativa recuperação da indústria de transformação, em 2009.

A indústria de perfumaria e cosméticos obteve melhora no conceito, em razão do crescimento da produção e das vendas, apesar do recuo das exportações e do aumento das importações. O setor pouco sentiu os efeitos da crise financeira internacional por ter sua demanda associada ao nível de renda e não ao de crédito; além dos custos terem recuado e os preços no varejo crescido.

Dos vinte e cinco setores analisados e integrantes da atividade de serviços, quinze registraram estabilidade; cinco, piora; e cinco, melhora consórcios, construção civil pesada, portos, telefonia fixa e transporte aéreo. O desempenho foi influenciado pela ampliação da renda e do emprego e pela maior disponibilidade de crédito às pessoas físicas. O aumento da demanda por serviços permitiu o reajuste de preços dos serviços acima da inflação. Houve expansão das margens, exceto para os setores mais influenciados pela atividade industrial.

O destaque positivo foi transporte aéreo devido o aumento no número de passageiros transportados em razão do crescimento da renda média da população; das maiores facilidades de pagamento, como as vendas parceladas de passagens; da queda dos preços das passagens aéreas; e da estratégia de captar novos clientes, das classes C e D.

 

Metodologia da Pesquisa

A Pesquisa Serasa Experian de Avaliação Setorial foi realizada a partir da avaliação da tendência de noventa e oito setores da economia, distribuídos nas atividades primária, com 13 setores; comércio, com 6; indústria, com 54; e serviços, com 25. A avaliação setorial é realizada trimestralmente, por meio de análises quantitativas e qualitativas, apoiadas por informações conjunturais e por perspectivas setoriais e macroeconômicas de curto prazo. Como resultado, os setores são conceituados em três níveis de tendência: melhora, estabilidade e piora. A Pesquisa foi criada em 2007.

 

Atividades e Setores:

Primária – Agropecuária, Avicultura, Bovinocultura, Produtor de Algodão, Produtor de Cacau, Produtor de Café, Produtor de Laranja, Produtor de Leite, Produtor de Milho, Produção de Ovos, Produtor de Soja, Produtor de Trigo e Suinocultura.

Comércio – Comércio Atacadista, Comércio Varejista, Concessionárias de Caminhões e Ônibus, Concessionárias de Veículos Leves, Distribuidoras de Combustíveis e Supermercados.

Indústria – Açúcar, Álcool Combustível, Alimentos, Alumínio, Autopeças, Bebidas, Bens de Capital, Biocombustíveis, Calçados, Caminhões, Celulose, Cimento, Cobre, Couro e Curtume, Defensivos Agrícolas, Editorial, Eletrodomésticos, Eletroeletrônicos, Embalagens, Esmagadoras de Laranja, Fertilizantes, Frigoríficos de Aves, Frigoríficos de Bovinos, Frigoríficos de Suínos, Fundição, Gráficas, Higiene e Limpeza, Indústria de Transformação, Indústria da Soja, Indústria do Fumo, Indústria Farmacêutica, Informática, Laticínios, Minério de Ferro, Moageiras de Trigo, Motocicletas, Móveis, Ônibus, Papel, Perfumaria e Cosméticos, Petróleo e Derivados, Plásticos, Pneus, Química e Petroquímica, Rações, Resinas Termoplásticas, Siderurgia, Têxtil e Vestuário, Tintas e Vernizes, Torrefadoras de Café, Tratores e Máquinas Agrícolas, Veículos Leves, Vidros e Vinhos.

Serviços – Cartões de Crédito, Consórcios, Construção Civil Leve, Construção Civil Pesada, Energia Elétrica-Distribuição, Energia Elétrica-Geração, Energia Elétrica-Transmissão, Gás Natural, Hotelaria, Portos, Previdência Privada, Saneamento Básico, Saúde Privada, Seguros, Serviços Gerais, Sistema Financeiro, Telefonia Fixa, Telefonia Móvel, Transporte Aéreo, Transporte Ferroviário, Transporte Naval, Transporte Rodoviário de Cargas, Transporte Rodoviário de Passageiros, Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros e Turismo.

Para maiores informações acesse:

http://www.serasa.com.br/solucoes/setorise/index.htm?frompage=empresa

 

Serasa Experian

A Serasa Experian é líder na América Latina em serviços de informações para apoio na tomada de decisões das empresas. No Brasil, é sinônimo de solução para todas as etapas do ciclo de negócios, desde a prospecção até a cobrança, oferecendo às organizações as melhores ferramentas. Com profundo conhecimento do mercado brasileiro, conjuga a força e a tradição do nome Serasa com a liderança mundial da Experian. Criada em 1968, uniu-se à Experian Company em 2007. Respondendo on-line/real-time a 4 milhões de consultas por dia, auxiliando 400 mil clientes diretos e indiretos a tomar a melhor decisão em qualquer etapa de negócio. É a maior Autoridade Certificadora do Brasil, provendo todos os tipos de certificados digitais e soluções customizadas para utilização da tecnologia de certificação digital e de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), tornando os negócios mais seguros, ágeis e rentáveis.

Constantemente orientada para soluções inovadoras em informações para crédito, marketing e negócios, a Serasa Experian vem contribuindo para a transformação do mercado de soluções de informação, com a incorporação contínua dos mais avançados recursos de inteligência e tecnologia.

http://www.serasaexperian.com.br

 

Experian

A Serasa Experian é parte do grupo Experian, líder mundial em serviços de informação, fornecendo dados e ferramentas de análise a clientes em mais de 65 países. A empresa auxilia os clientes no gerenciamento do risco de crédito, prevenção a fraudes, direcionamento de campanhas de marketing e na automatização o processo de tomada de decisão. A Experian plc também apóia pessoas físicas no gerenciamento de suas relações de crédito e na proteção a fraudes de identidade.

A Experian plc está registrada na Bolsa de Valores de Londres (EXPN) e compõe o índice FTSE 100, que é o principal indicador do desempenho médio das cotações da Bolsa de Londres. A receita total para o ano fiscal encerrado em 31 de março de 2009 foi de US$ 3,9 bilhões. A empresa emprega cerca de 15.000 pessoas em 40 países e possui sede corporativa em Dublin, na Irlanda e sedes operacionais em Nottingham, no Reino Unido; em Costa Mesa, na Califórnia e em São Paulo, Brasil.

Para mais informações, visite http://www.experianplc.com

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.