Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Crise se afasta, mas deixa rastro de inadimplência nas empresas, revela Serasa Experian

24/08/2009

No acumulado de janeiro a julho de 2009, o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas apontou uma alta de 29,7% na inadimplência das pessoas jurídicas, quando comparado a igual período de 2008. A elevação revela que mesmo com a recuperação econômica a partir de maio, a queda dos juros, a resposta do mercado interno e a volta gradual do crédito ainda não foram suficientes para as empresas para reverterem os danos causados pela crise.

Segundo os analistas da Serasa Experian, as empresas ainda enfrentam muitos problemas, em termos de liquidez, para financiar suas atividades, seus investimentos e renegociar suas dívidas. Os técnicos também destacam que a recessão global e o real valorizado estão penalizando as empresas exportadoras.

Quanto à variação de julho de 2009 sobre julho de 2008, a inadimplência das empresas cresceu 26,3%, ritmo semelhante ao verificado na comparação de junho de 2009 ante o mesmo mês de 2008 (alta de 26,6%). Contudo, estes resultados são inferiores ao verificado no período acumulado entre janeiro e maio de 2009, frente ao mesmo período de 2008 (elevação de 30,2%).

A alta também foi verificada na variação mensal. Em julho de 2009, o crescimento da inadimplência das pessoas jurídicas foi de 6,6%, ante o mês de junho. De acordo com os analistas, a elevação é justificada pela dificuldade de recuperação apresentada pelas empresas, além do maior número de dias úteis em julho (23), na comparação com junho (21). Os especialistas lembram, ainda, que o mês de junho, por ter registrado recuo na inadimplência em relação a  maio, se tornou uma base fraca de comparação, ampliando a expressão do número de julho.

Para o curto prazo, a perspectiva dos técnicos é de que a inadimplência das empresas se mantenha em patamares elevados ante 2008, com possibilidade de queda no último trimestre do ano.

Ranking

De janeiro a julho de 2009, o ranking de representatividade das dívidas das empresas foi liderado pelos títulos protestados, com 41,6% de participação no indicador. No mesmo período do ano passado, tal representação foi de 42,1%.

Em seguida, com 39% de participação até julho, estão os cheques sem fundos. Em 2008, nos sete primeiros meses, este percentual foi de 38,7%. Fecham o ranking as dívidas com bancos, com 19,4% de representatividade de janeiro a julho deste ano, acima dos 19,2% observados no mesmo período do ano anterior.

Valor médio das dívidas

Nos sete primeiros meses de 2009, o valor médio das dívidas com bancos foi de R$ 4.563,70, com 3,6% de aumento, na relação com o acumulado de janeiro a julho de 2008.

Os títulos protestados, por sua vez, tiveram de janeiro a julho deste ano um valor médio de R$ 1.805,48, resultando em 20,7% de aumento, ante o mesmo período do ano passado.

Por fim, os cheques sem fundos apresentaram, de janeiro a julho de 2009, um valor médio de R$ 1.461,35, com 14,5% de crescimento, quando comparado com igual período de 2008.

Metodologia

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas, por analisar eventos ocorridos em todo o Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em âmbito nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados e dívidas vencidas com instituições financeiras.

A Serasa Experian é a maior empresa da América Latina em pesquisas, informações e análises econômico-financeiras para apoiar decisões de crédito e negócios e referência mundial no segmento. Participa ativamente no respaldo às decisões de crédito e de negócios tomadas em todo o Brasil, facilitando aproximadamente 4 milhões de negócios por dia, para mais de 400 mil clientes diretos ou indiretos.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.