Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Inadimplência dos consumidores avança 22,6% em março

13/04/2009

Em março de 2009, o Indicador Serasa Experian de
Inadimplência de Pessoa Física
apontou alta de 22,6% na inadimplência dos
consumidores, na comparação com fevereiro último.

A alta também é verificada nas variações acumulada e anual.
No período de janeiro a março deste ano, a inadimplência das pessoas físicas
cresceu 11,4%, na comparação com o mesmo acumulado de 2008. Já na relação março
de 2009 sobre março de 2008, o crescimento verificado foi de 16,6%.

No primeiro trimestre de 2009, o
ranking de representatividade da inadimplência dos consumidores foi liderado
pelas dívidas com os bancos, com uma participação no indicador de 43,4%. Nos
três primeiros meses do ano anterior, este percentual foi de 42,9%.

A seguir aparecem as dívidas com
cartões de crédito e financeiras, que no acumulado de janeiro a março deste
ano, representaram 37,1% da inadimplência dos consumidores. Em 2008, no mesmo
período, tal participação foi de 31,4%.

Na terceira colocação do ranking, os
cheques sem fundos tiveram uma representatividade de 17,6% no primeiro
trimestre de 2009, abaixo dos 23,4% analisados nos três primeiros meses do ano
anterior.

 

Fecham o ranking os títulos
protestados, que de janeiro a março deste ano tiveram uma participação no
indicador de 1,9%. No primeiro trimestre do ano anterior, esta
representatividade foi de
2,3%.        

 

Valor médio das dívidas

 

De janeiro a março de 2009, o valor
médio das dívidas com cartões de crédito e financeiras foi de R$ 386,86, o que
representou um recuo de 13,3%, ante o mesmo acumulado de 2008.

Quanto às dívidas com os bancos, o
valor médio registrado, até março de 2009, foi de R$ 1.357,47, com 1,5% de
queda sobre os três primeiros meses do ano anterior.

 

Já os títulos protestados,
apresentaram nos três primeiros meses de 2009 um valor médio de R$ 1.036,23,
representando uma alta de 11,9%, na comparação com o acumulado de janeiro a
março de 2008.

 

Os cheques sem fundos, por sua vez,
tiveram um valor médio de R$ 828,70 nos três primeiros meses de 2009, o que
significou 31,2% de elevação, na variação com o primeiro trimestre de
2008.

 

Análise

 

Para os técnicos da Serasa Experian, a
menor atividade econômica e o desemprego localizado em alguns setores
promoveram o crescimento da inadimplência em março e no 1º trimestre deste ano.
As comparações com equivalentes períodos de 2008, quando a economia estava em
pleno crescimento, tornam as variações resultantes mais
significativas.

 

A alta na relação mensal,
março/fevereiro, de 22,6%, decorre também do efeito calendário, com menor
número de dias úteis verificados no segundo mês do ano, sendo caracterizado
como uma base menor frente a março, que passa a ser mais
representativo.

 

De qualquer forma, os primeiros três
meses do ano são mais críticos para as finanças pessoais, agora agravadas com a
crise. O patamar atual da inadimplência deve ser monitorado, pois inadimplência
em alta é sinônimo de juros mais altos.

 

Metodologia

 

O Indicador Serasa Experian de
Inadimplência de Pessoa Física
, por analisar eventos ocorridos em todo o
Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em âmbito nacional. O modelo
estatístico de múltiplas variáveis considera as variações registradas no número
de cheques sem fundos, títulos protestados, dívidas vencidas com instituições
financeiras e cartões de crédito e financeiras.

 

A Serasa Experian facilita mais de 4 milhões de negócios
por dia, para cerca de 400 mil clientes diretos ou indiretos. Em 2007, a Serasa
- criada em 1968 -, uniu-se à Experian Company, líder mundial no mercado de
informações, trazendo para o Brasil a experiência de mercados mais maduros.
Hoje a nova marca Serasa Experian ampliou a oferta ao mercado brasileiro com
modernas e inovadoras ferramentas para apoiar seus clientes em todas as etapas,
desde a prospecção até a cobrança.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.