Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Inadimplência no semestre cresce 6,1% entre os consumidores, revela Serasa

17/07/2008

No primeiro semestre de 2008 o Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa
Física apontou nova alta na inadimplência dos consumidores. Segundo o
levantamento da Serasa, uma empresa do grupo Experian, de janeiro a junho deste
ano o crescimento da inadimplência foi de 6,1% na comparação com os seis
primeiros meses de 2007.

Na variação entre junho de 2008 e junho de 2007, o indicador registrou alta
de 7,1% na inadimplência das pessoas físicas, enquanto na relação entre junho
de 2008 e maio último, houve queda de 4,5%.

No período de janeiro a junho deste ano, o ranking de representatividade da
inadimplência dos consumidores foi liderado pelas dívidas com os bancos, que
tiveram participação de 43,2% no indicador. No primeiro semestre de 2007, as
pendências com as instituições financeiras representaram 37,9% da inadimplência
das pessoas físicas.

Em seguida, com 32% de representatividade na inadimplência das pessoas
físicas nos seis primeiros meses de 2008 estão as dívidas com cartões de
crédito e financeiras. No acumulado de janeiro a junho de 2007 este percentual
foi de 31,1%.

Em terceiro lugar estão os cheques devolvidos. De janeiro a junho de 2008
eles tiveram participação de 22,5% no indicador de inadimplência dos
consumidores, menor que os 28,4% obtidos no mesmo semestre de 2007.

O ranking é fechado com os títulos protestados, que no primeiro semestre
deste ano representaram 2,3% da inadimplência das pessoas físicas, ao passo que
no mesmo período do ano anterior esta participação foi de 2,7%.

Valor médio das dívidas

No primeiro semestre deste ano, as pendências com cartões de crédito e
financeiras tiveram um valor médio de R$ 416,15, com alta de 16,4% ante o mesmo
semestre de 2007. Já as dívidas com os bancos, de janeiro a junho de 2008
tiveram seu valor médio em R$ 1.375,36, situando-se 8,2% acima do valor obtido
nos seis primeiros meses do ano anterior.

Quanto aos títulos protestados, o valor médio registrado no primeiro
semestre de 2008 foi de R$ 931,66, com elevação de 10,8% sob o valor
apresentado no acumulado de janeiro a junho de 2007. Os cheques devolvidos, por
sua vez, tiveram até junho deste ano um valor médio de R$ 645,53, representando
um aumento de 6,3% em relação ao valor obtido nos seis primeiros meses de
2007.

Análise

Para os técnicos da Serasa, o crescimento da inadimplência do consumidor,
tanto na variação semestral quanto em igual mês (junho 2008/2007), é resultado
do maior endividamento da população. Com a evolução do crédito, parte dos
consumidores ultrapassou seu limite de endividamento em relação à renda. Este
maior comprometimento também pode ser notado pelos valores médios crescentes
das pendências financeiras, em todas as modalidades de financiamento.

Além disso, o aumento dos juros e da inflação acabam pressionando ainda mais
a renda das famílias, com maiores dispêndios em aluguéis e compra de produtos
básicos, determinando menor disponibilidade de recursos para honrar as dívidas
assumidas. A continuidade de utilização de formas mais caras de financiamentos,
a exemplo do cheque especial, pode estar sendo destinada para o pagamento de
outras dívidas e/ou complementação de renda.

Para ilustrar o acirramento da inadimplência do consumidor entre 2008 e
2007, no 1º semestre de 2007 em relação ao mesmo período de 2006 houve uma
queda de 1,6% na inadimplência das pessoas físicas. O patamar atual é o oposto,
com aumento de 6,1% na relação entre igual período (1º semestre) de 2008
comparado ao mesmo de 2007.

Na outra ponta da transação de crédito, o concedente muitas vezes toma
decisões inadequadas no momento em que financia o consumidor, o que também
contribui para a inadimplência. Isso ocorre, principalmente, nas empresas menos
organizadas financeiramente.

De forma geral, a inadimplência do consumidor ainda não é alarmante, mas
merece ser monitorada, considerando-se que adiante há uma perspectiva de
crescimento dos preços e dos juros, com menor evolução da renda.

Metodologia

O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Física por analisar eventos
ocorridos em todo o Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em âmbito
nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as variações
registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados, dívidas
vencidas com instituições financeiras e cartões de crédito e financeiras.

A Serasa, uma empresa do grupo Experian, é a maior empresa do Brasil em
pesquisas, informações e análises econômico-financeiras para apoiar decisões de
crédito e negócios e referência mundial no segmento. Participa ativamente no
respaldo às decisões de crédito e de negócios tomadas em todo o Brasil,
facilitando aproximadamente 4 milhões de negócios por dia, para mais de 400 mil
clientes diretos ou indiretos.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.