Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Cheques sem fundos aumentam 19,7% em março, aponta Serasa

18/04/2007

Quando comparado a fevereiro, houve alta no indicador. No
entanto, no trimestre e na relação com março de 2006, os cheques sem fundos
caíram

A inadimplência com cheques aumentou em março de 2007, na comparação com
fevereiro deste ano, em todo o país. Houve uma alta de 19,7% no volume de
cheques devolvidos por falta de fundos a cada mil compensados no período. Foram
devolvidos 23,1 cheques por mil compensados, em março de 2007, contra 19,3 no
mês anterior.

Houve um total de 132,1 milhões de cheques no terceiro mês deste ano, dos
quais 3,04 milhões devolvidos duas vezes por insuficiência de fundos, no país.
Os cheques compensados em fevereiro de 2007 totalizaram 121,1 milhões, e os
devolvidos por falta de fundos foram 2,34 milhões.

Já na comparação com março de 2006, os cheques sem fundos diminuíram no
país. Foram devolvidos 24,3 cheques por falta de fundos a cada mil compensados
no terceiro mês do ano, o que representou uma queda de 4,9%. Em março de 2006,
houve um total de 166,5 milhões de cheques compensados e 4,04 milhões de
devolvidos.

No primeiro trimestre de 2007

No primeiro trimestre também houve queda no indicador. Os cheques devolvidos
por insuficiência de fundos a cada mil compensados recuaram 4,2% no primeiro
trimestre de 2007, na comparação com os três primeiros meses de 2006. Houve
20,4 cheques devolvidos/mil compensados no acumulado de janeiro a março de
2007, ante 21,3 no mesmo período de 2006.

Os cheques compensados totalizaram 395,1 milhões, em todo o país, no
acumulado dos três primeiros meses de 2007 e os devolvidos foram 8,05 milhões
no período. No primeiro trimestre de 2006, foram compensados 447,9 milhões de
cheques, dos quais 9,53 devolvidos por insuficiência de fundos.

Argumentação

Para os analistas da Serasa, a elevação verificada sobre o mês de fevereiro
de 2007 pode ser encarada como um fenômeno sazonal, influenciado pelo maior
número de dias úteis em março e pelo comprometimento da renda disponível com o
pagamento de impostos (IPVA e IPTU).

A queda na comparação anual, isto é, sobre março de 2006, da proporção de
cheques devolvidos por mil compensados foi a sétima consecutiva desde setembro
de 2006, configurando uma tendência de diminuição da inadimplência nessa
modalidade de pagamento. Este comportamento é explicado pela recuperação da
massa de rendimentos reais (rendimento médio real x número de pessoal ocupado)
ocasionada pela aceleração do crescimento econômico, principalmente no início
do ano.

Os indicadores de cheques sem fundos serão influenciados favoravelmente com
a prática do cadastro positivo sobre o crédito. Essa nova metodologia
possibilitará o estabelecimento de políticas mais adequadas aos diversos
tomadores de crédito, o que significará maior segurança nessas transações e,
portanto, redução de custos e ampliação de recursos e abrangência, tanto para
pessoa física quanto para pessoa jurídica.

Nos Estados brasileiros

*Ranking de cheques devolvidos a cada mil compensados, em março de 2007, por
Estado.

ESTADOS/REGIÕES MARÇO 2007

1 AMAPÁ 111,6

2 RORAIMA 88,1

3 MARANHÃO 73,6

4 ACRE 73,0

5 TOCANTINS 70,1

6 ALAGOAS 62,6

7 SERGIPE 54,5

8 PARÁ 52,5

9 RIO GRANDE DO NORTE 49,5

10 PARAÍBA 45,8

11 PIAUÍ 43,2

12 AMAZONAS 37,8

13 MATO GROSSO 36,3

14 BAHIA 34,9

15 RONDÔNIA 32,6

16 CEARÁ 26,6

17 GOIÁS 26,5

18 MATO GROSSO DO SUL 26,3

19 DISTRITO FEDERAL 24,6

20 ESPÍRITO SANTO 24,1

BRASIL 23,1

21 RIO GRANDE DO SUL 22,8

22 RIO DE JANEIRO 22,3

23 MINAS GERAIS 21,5

24 SANTA CATARINA 21,5

25 PARANÁ 21,2

26 PERNAMBUCO 20,7

27 SÃO PAULO 19,0

 

1 REGIÃO NORTE 50,3

2 REGIÃO NORDESTE 35,0

3 REGIÃO CENTRO-OESTE 27,5

4 REGIÃO SUL 21,8

5 REGIÃO SUDESTE 20,1

*O índice de cheques devolvidos por falta de fundos a cada mil compensados,
nos Estados do país, não deve ser analisado isoladamente. O total de cheques
compensados e o de cheques devolvidos, em cada Estado, influenciam na
interpretação do índice.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.