Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Inadimplência dos consumidores aumenta em julho, aponta indicador da Serasa

16/08/2006

O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Física registrou uma ligeira alta
de 2,6% na inadimplência dos consumidores em julho de 2006, quando comparada a
junho de 2006. O aumento foi verificado após a queda de 12,8% na inadimplência
de pessoa física em junho deste ano, frente a maio.

Quando comparada a julho de 2005, a alta na inadimplência dos consumidores
foi mais expressiva, de 16,3%. Nos primeiros sete meses de 2006, também houve
aumento no indicador. Na comparação com o mesmo período de 2005, a
inadimplência de pessoa física cresceu 15,5%.

Representatividade

Em julho de 2006, as dívidas com cartões de crédito e financeiras tiveram o
maior peso na inadimplência dos consumidores, com participação de 33,7%,
percentual inferior ao registrado em julho de 2005, que foi de 34,9%.

O segundo maior índice na representatividade da inadimplência de pessoa
física, em julho de 2006, foi o de cheques sem fundos, que teve participação de
31,8%, inferior à registrada em julho de 2005, que foi de 32,7%.

As dívidas com os bancos registraram a terceira maior participação no
indicador, 31,6%, em julho de 2006. No mesmo mês de 2005, esses registros
tiveram peso de 29,8%. Finalmente, os títulos protestados tiveram participação
de 2,9% na inadimplência dos consumidores, em julho de 2006, enquanto no sétimo
mês de 2005, o peso dos protestos foi de 2,6%.

O valor médio das anotações de cheques sem fundos de pessoa física, nos
primeiros sete meses de 2006, foi de R$ 575,06. Já o valor médio dos títulos
protestados, no mesmo período, foi de R$ 784,84, enquanto os registros de
dívidas com o sistema financeiro tiveram um valor médio de R$ 1.108,16 e os
registros de dívidas com cartões de crédito e financeiras, de R$ 303,55.

Em relação aos primeiros sete meses de 2005, houve um aumento de 8,8% no
valor médio das anotações de cheques sem fundos e uma alta de 6,6% no valor das
anotações de protestos. O valor médio das dívidas com cartões de crédito e
financeiras aumentou 18,3% em relação aos sete primeiro meses de 2005, e o
valor das dívidas com os bancos registrou uma alta de 7,6%.

Argumentação

Os técnicos da Serasa afirmam que o crescimento da inadimplência de pessoa
física, em julho e no acumulado do ano, frente aos mesmos períodos de 2005,
decorreu da alta no endividamento do consumidor, devido à expansão da oferta de
crédito e ao alongamento nos prazos de pagamento. Destaca-se que o bom
desempenho das vendas no Dia das Mães, alavancado pelo crédito, contribuiu para
essas estatísticas.

O aumento do salário mínimo, a ligeira evolução da renda e do emprego
formal, além dos baixos índices de inflação atenuaram o impacto negativo do
alto endividamento na renda disponível do consumidor, o que contribuiu para o
pequeno crescimento do indicador de inadimplência na relação de julho deste ano
com junho.

Os indicadores de inadimplência serão influenciados favoravelmente com a
prática do cadastro positivo sobre o crédito. Essa nova metodologia
possibilitará o estabelecimento de políticas mais adequadas aos diversos
tomadores de crédito, o que significará maior segurança nessas transações e,
portanto, redução de custos e ampliação de recursos e abrangência, tanto para
pessoa física quanto para jurídica.

Metodologia

O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Física, por analisar eventos
ocorridos em todo o Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em âmbito
nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as variações
registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados, dívidas
vencidas com instituições financeiras, empresas de varejo, cartões de crédito e
financeiras.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.