Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Serasa registra alta na inadimplência das empresas em 2005

02/02/2006

Levantamento realizado pela Serasa revelou alta na inadimplência das
empresas em 2005. Segundo o Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa
Jurídica,
que contempla os registros de cheques devolvidos, títulos
protestados e dívidas vencidas com bancos, houve um aumento de 14,2% na
inadimplência da pessoa jurídica no ano passado, em relação a 2004.

Em dezembro de 2005, o indicador também registrou alta, apontou a Serasa,
maior empresa do Brasil em informações, pesquisas e análises
econômico-financeiras para apoiar decisões de crédito e negócios e referência
mundial no segmento. Quando comparado a novembro de 2005, o aumento foi de
3,1%. Já na relação com dezembro de 2004, houve um acréscimo ainda maior na
inadimplência das empresas, de 15,5%.

Segundos os técnicos da Serasa, para as pequenas e médias empresas, que são
menos capitalizadas e mais sensíveis ao elevado custo do dinheiro, o modesto
desempenho da atividade econômica no segundo semestre de 2005 causou
dificuldades na geração de recursos suficientes para cobrir suas necessidades
de capital de giro, aumentando a inadimplência frente ao crédito tomado.

Os técnicos observam ainda que a inadimplência em 2005 (14,2%) cresceu quase
na mesma proporção que o montante do crédito de recursos livres para pessoa
jurídica (16,5%), o que sugere problemas na concessão de crédito por parte das
empresas aos seus clientes, sobretudo pelas menos estruturadas e com menor
competência em gestão de crédito.

Representatividade

O levantamento da Serasa revela que, em 2005, os títulos protestados tiveram
o maior peso na inadimplência das empresas, com participação de 41,1%. O
segundo maior índice na representatividade da inadimplência de pessoa jurídica,
de janeiro a dezembro de 2005, são os cheques sem fundos, que tiveram
participação de 39,1%. Em terceiro lugar ficaram as dívidas com bancos, que
registraram peso de 19,8% na inadimplência das empresas em 2005.

Em dezembro de 2005, o indicador também apontou os títulos protestados como
sendo o maior índice na representatividade da inadimplência das empresas, com a
participação de 40,6%, inferior a registrada em dezembro de 2004, quando os
protestos representaram 42,9% da inadimplência.

O segundo índice na representatividade do indicador de inadimplência de
pessoa jurídica é o de cheques sem fundos, que em dezembro de 2005 teve um peso
de 39,3%. Em dezembro de 2004, a participação dos cheques sem fundos foi de
39,2%. Com a menor representatividade, mas crescendo a cada ano, estão as
dívidas registradas com os bancos, 20,1% em dezembro de 2005, superior à
participação de dezembro de 2004, que foi de 17,9%.

No acumulado de janeiro a dezembro de 2005, o valor médio das anotações de
títulos protestados da pessoa jurídica atingiu R$ 1.398,27. Já o de cheques sem
fundos registrou R$ 1.244,38 e o valor médio das dívidas registradas com os
bancos foi de R$ 3.183,55.

Em relação ao período de janeiro a dezembro de 2004, houve um aumento de
3,8% no valor médio das dívidas com cheques sem fundos e de 4,8% no valor médio
das anotações de protestos. O valor médio das dívidas com bancos, nos doze
meses de 2005, foi 10,2% maior que no mesmo período de 2004.

Metodologia

O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Jurídica, por analisar
eventos ocorridos em todo o Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em
âmbito nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as
variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados e
dívidas vencidas com instituições financeiras.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.