Últimas Notícias

Estudos de Inadimplência

Empresas retomam fôlego e inadimplência recua, revela indicador da Serasa

04/11/2005

A inadimplência de empresas registrou a segunda queda consecutiva em dois
meses. De acordo com o Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa
Jurídica
em setembro de 2005 houve um recuo de 5,7% na inadimplência de
empresas em relação a agosto, mês em que havia sido registrada queda de 14,9%
frente a julho de 2005.

Segundo a equipe econômica da Serasa, o crescimento da atividade industrial,
ao longo de 2005, associada à interrupção do ciclo de alta da taxa básica de
juros (SELIC), pelo Banco Central, contribuíram para dar maior fôlego
financeiro às empresas, o que resultou em queda da inadimplência na relação
setembro/agosto deste ano.

No entanto, o levantamento apontou que na comparação com setembro de 2004, o
indicador registrou alta expressiva de 25,7%. Nos nove primeiros meses de 2005,
a inadimplência de empresas aumentou 15,4% em relação ao mesmo período do ano
passado. Esses resultados são conseqüências do maior endividamento das empresas
e do elevado patamar das taxas de juros.

Representatividade

O indicador mostrou que os títulos protestados registraram a maior
representatividade na inadimplência de empresas com a participação de 40,6% em
setembro de 2005. No entanto, essa participação vem caindo em relação a iguais
períodos de anos anteriores. Em 2004 e 2003, os títulos protestados tiveram
pesos de 43,1% e 48,3%, respectivamente, na inadimplência das empresas.

O segundo índice na representatividade do indicador de inadimplência é o de
cheques sem fundos, que em setembro de 2005 teve um peso de 39,3% na
inadimplência das empresas. Em 2004, os cheques sem fundos representavam 38,9%
da inadimplência de pessoa jurídica e em 2003, 37,2%.

Com a menor representatividade, mas crescendo a cada mês, estão as dívidas
registradas com os bancos, 20,1% em 2005, superior às participações de setembro
de 2004 e 2003 que foram de 18,0% e 14,5%, respectivamente.

No acumulado de janeiro a setembro de 2005, o valor médio das anotações de
cheques sem fundos da pessoa jurídica atingiu R$ 1.211,62. Já o valor de
títulos protestados registrou R$ 1.411,93 e o valor médio das dívidas
registradas com os bancos foi de R$ 3.217,06.

Em relação ao período de janeiro a setembro de 2004, houve um aumento de
1,2% no valor médio das dívidas com cheques sem fundos e de 5,9% no valor médio
das anotações de protestos. O valor médio das dívidas com bancos e financeiras,
nos nove meses de 2005, é 14,5% maior que no mesmo período do ano passado.

Metodologia

O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Jurídica , por analisar
eventos ocorridos em todo o Brasil, reflete o comportamento da inadimplência em
âmbito nacional. O modelo estatístico de múltiplas variáveis considera as
variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados e
dívidas vencidas com instituições financeiras.

  • 2017 Serasa Experian. Todos os direitos reservados.